terça-feira, maio 30, 2006

THE SHOW MUST GO ON?....


Às vezes, dou por mim a pensar nesta coisa de ter chegado aos 30!E penso e repenso e torno a pensar e venho tremulamente chegando a algumas conclusões...
Nós mulheres, que fomos educadas sob o jugo dos princípios e valores tradicionais eclesiástico-cristãos, que tivemos que lidar com a adolescência e inerentes dramalhetes – as primeiras saídas à noite, as primeiras bebedeiras, o primeiro namoro, a descoberta do nosso corpo e do do outro..etc, etc –, nós que levámos com isso tudo, entrámos serena e descomplexadamente nos 30...leves de preconceitos, de pudores, de receios, de “femininices” enfim...Quase que arriscaria a dizer que passamos a ser, neste sentido e porque queremos, mais homens!
A cada momento que entro no DD, incansável me pergunto...e os homens?...Claro que não vou tecer considerações acerca deste comportamento ou daquele...Nunca faço julgamentos apriorísticos...Mas a verdade é que ver homens a babarem-se como velhos desorientados ou com olhinhos de deleite quase infantil, esbugalhando-se com as russas que rebolam, repetitivas, os traseiros lascivos no balcão, faz-me pensar...
Que procuram eles??? Ser ainda mais homens???
Nós, buscando incessantes esse “modus vivendi” tão masculino, aceitando - primeiro desconfiadamente, depois com uma naturalidade quase indiferente - shows lésbicos, nús integrais, espectáculos de sexo ao vivo, toda essa parafernália hardcore que, de repente, nos cái no colo, sem opção, quando aterramos nesta terra do Santo Nome de Deus de Macau!
E eles o que buscam???
O sexo pelo sexo?
Hummm, não me parece nada... e por duas ordens de razões: primeira, porque em pleno século XXI, já não há homens que procurem fora de casa aquilo que não encontram lá dentro; segunda, porque, nesta terra, a banalização do sexo é tal que, a certa altura, é preciso reinventar novas formas de entretenimento – e estou a relembrar a cena aviltante da cadeira de barbeiro colocada estrategicamente no palco do DD, onde, voluntária e alegremente, se deita um candidato(a) que se propõe deixar a boca aberta para escoar duas garrafas de bebida branca, despejadas em simultâneo, até que as goelas lhe doam!... Isto, sim, um cenário verdadeiramente degradante! E desconheço qual seja o prémio para quem se sujeita a tal façanha, só espero não seja ainda mais álcool!!!
E depois é esta recente onda, paradoxalmente crescente, de casamentos que, de igual modo, me vem deixando perplexa...Is it just because “the show must go on”?
E a dúvida assalta-me, novamente, os sentidos: será que assumindo frontalmente todos os nossos medos, expondo despudoradamente os nossos mais íntimos desejos, escolhendo livremente as nossas opções de vida, casar ainda faz sentido?
Será que, neste mundo em que, agora mais do que nunca, cada um busca, por si e só para si, a sua ilha da fantasia, casar é um projecto exequível?
E se casar é, para utilizar um lugar comum, um projecto a dois, porque continuamos todos, agora sim, homens e mulheres, procurando ávida e individualmente, momentos breves de idílio, esgares de prazer, sóis tapados com peneiras que, no fundo, mais não fazem que mascarar aquilo que julgamos ser a verdadeira felicidade?
Agora, enfim, que podemos todos levar a vida como queremos, valerá a pena persistir na convenção só porque the show must go on? Por alma de quem???

10 comentários:

Mulher do Norte disse...

Não sei porquê, mas algo me diz que este texto foi escrito por alguém que me é muito especial.....será??? Parabéns pelo fiél retrato do que nós (mulheres de 30,sobretudo as "Transmontanas") pensamos e sentimos...

rosa paula rocha pinto disse...

Olá amiga E., estou a acompanhar este blogue com atenção. Reflexões interessantes. E a verdade é que as mulheres continuam a ter que reflectir para perceber bem qual o seu lugar, quais as suas supostas obrigações e como exercer o direito de não as cumprir sem pagar demasiadamente caro por isso. É duro ser mulher. Mas vale a pena. Mando a todas uns parabéns aqui de Lisboa. E diz-me (ainda que por email), qual de vocês és tu? Um grande beijo. Rosa Paula.

mariana disse...

Pois tá claro que também tenho de intervir no nóvel blog para dar os parabéns a estas mulheres pela iniciativa...
Enfim, apenas conheço uma delas (hello E.!), mas já vejo que a produção literária promete.
Quanto ao debate ontológico subjacente, e na qualidade de mulher casada, por agora escuso-me de tecer considerações.
Beijos (de Lisboa), Mariana

Anónimo disse...

Simplesmente deprimente!
Quem escreve isso precisa de caralho!
Porque nao falam dos problemas sociais da macau? Ou um outro tema mais interessante... ficar lamentando a falta de caralho em macau 'e deprimente! Arrumem os sacos e partam para a russia!

mulher de macau

Mulher de Macau, com M grande disse...

Eu diria que esta mulher de macau tem problemas do foro psiquiátrico, designadamente o tão típico ressaibiamento!!! Ela que procure um médico urgentemente, que isso só com cigarrada e "bebes" não me parece que tenha cura!Alguém que lhe ilumine o caminho porque, a ver pela linguagem grotesca, cheira-me que já deve andar nas trevas há décadas!!!
Get a life, girl!Otherwise, get lost!!!

Cidadã do Mundo disse...

E reclama a mulher de macau que o blog deveria focar os problemas sociais de macau...e porque é que em vez de achincalhar, não toma ela a iniciativa??? É por estas e por outras que só me dou com meia-dúzia de portugueses! Creeeeeeeedo, esta mulher é o exemplo acabado da mente tacanha! Ainda por cima auto-intitula-se mulher de macau - será que ainda não percebeu que aqui, definitivamente, não é a terra dela??? Vai prá tua terra, mulher, que lá andas como peixinho na água!!!

Anónimo disse...

Quando o assunto é, apenas, tratado por mulheres dá sempre nisto...principalmente com portuguesas. Depois admiram-se e queixam-se da preferência pelas orientais. Porque é que não vão todas para a vossa terra, se Macau vos desagrada tanto? E porque é que vão ao DD?

Anónimo disse...

Pois é, pegando mas palavras de alguém...quando o assunto é, apenas, tratado por mulheres dá sempre nisto...principalmente com portuguesas. Depois admiram-se e queixam-se da preferência pelas orientais...e continuando...até parece que o vosso sonho de CASAMENTO...acabou por causa das ditas orientais!

Anónimo disse...

Esquecam os comentarios menos proprios e continuem a vossa producao de sentimentos.

Anónimo disse...

Amiga,
Gostei deste escrito, tem um óptimo ritmo.
Penso que não deves perder a esperança na institução casamento, até porque esta apesar de ser institucional não é tão impostante assim. O que interessa são as duas pessoas que se amam, estão em sintonia, querem estar juntas mas são totalmente diferentes.
Para mim que sou casada o segredo do casamento estás nas seguintes coisas:
Muito amor e amizade
Compreensão,
Respeito
Magia e um querer estar juntos...
No fundo há tantos namoros que são casamentos e tantas amizades que dão em bonitos namoros.
A tua cara metade anda por aí e nessa altura vai fazer todo o sentido fazer juras de amor eterno...